Páginas

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

A primeira lição

Depois do evento em que fui levado a tomar conhecimento de Sesóstris e da Íbis do Pão de Açúcar, muito tempo se passou sem que nada acontecesse. Talvez uns seis meses. Minha rotina era os pequenos biscates que fazia durante o dia e durante a noite procurava ficar no atelier, lendo ou tentando escrever alguma coisa ,pois a convivência com a Mãe era delicada e difícil. Ela não me perdoava por ter deixado de pintar, ainda mais que; havia abandonado a Feirarte de Ipanema.
Acostumada a me ver com dinheiro no bolso e cercado de colegas e amigos, não se conformava com o destino que eu havia escolhido. Seu olhar triste era como o chicote do algoz; dilacerava-me a alma e o coração. Mais convicto, não abria mão do destino que escolhera e evitava o máximo de magoá-la com atitudes ou rompantes. Muitos anos transcorreram para que ela aceitasse minha escolha e foi ótimo, pois isto possibilitou a nossa convivência em harmonia. Ela não compreende o que é meu trabalho mais sinto a sua ansiedade por acontecimentos prazerosos que possam vir a acontecer com relação a minha obra.
As tentativas de publicar o Dissidente de Alphan, não me abateram embora me causassem mágoas. No silêncio do atelier, às vezes no escuro, longos períodos ficava a meditar. questionando aos Manes o porquê de nada acontecer. O que me incomodava é que tivera ou participara de fatos insólitos reais ao extremo para mim, mais talvez irreais para outras pessoas. Certo dia, numa tarde calma e amena, resolvi arrumar e cuidar do atelier, pois o achava um pouco na bagunça. Após tudo arrumar tomei um banho e resolvi sentar como de costume no sumiê para meditar. Mal me sentei, o zumbido explodiu dentro da minha cabeça, ele é como o som de milhares de sinetas, daquelas que se usam durante missas e rituais. Por alguns momentos minha cabeça e minha coluna trepidaram, acostumado com o fato, procurei ficar quieto, pois sabia que algo iria acontecer no recinto. Esse zumbido na cabeça eu tenho desde a noite em que participei de um incrível encontro insólito no alto da Serra do Mazomba sobre, será assunto de outra postagem.
O zumbido ficou numa graduação suave e pouco a pouco, o ambiente foi se transmutando até que a esfera translúcida ficou bem a minha frente cerca de uns quatro metros. Ela girava no mesmo sentido dos planetas e oscilava suavemente. Novamente, como da outra vez aquela voz sem som oriunda da esfera ecoou dentro de minha cabeça:
- Essa será a sua primeira lição, tenha calma e preste atenção nos detalhes. È muito importante que você a decore hoje.
A esfera começou a girar mais devagar até parar e a voz ecoou no recinto.
- Você vai aprender o Tecno Estudo com o qual os Atlantes atingiram o seu alto grau de desenvolvimento. Sua nação é a Lêmure Atlântida do passado e um grave conflito nuclear sacudiu a terra e quase todos pereceram. Sua nação foi atacada, revidou e o desastre se deu. As emanações transformaram e transmutaram os que sobreviveram, os homens das cavernas vossos ancestrais físicos. Vossa história terá que ser recontada. Vamos ao estudo: veja dentro da esfera o Tema motivo de nossa aula.
Dentro da esfera havia uma pequena frase escrita e abaixo dela uma quadratura contendo todas as letras da frase e mais abaixo palavras, tudo eu via desta maneira:

A MÃE
primeira lição

Estas são as palavras que estão na quadratura

A - AMA -AMÃ- AME -MA - MÃE – ME-MEÃ-E - É – EMA- EM

- Com estas palavras que são o conteúdo da quadratura, tente formar uma frase ou mais, emitiu a voz.
Por muito tempo tentei e quando formei um raciocínio escrevi isto.
A Mãe é ama e a Ama é mãe.
Ame a Mãe, ame a Ama e a Mãe Má me ame.
- Muito bom para o começo de seus estudos mais você só realizou 80% do texto final. Mais não tem importância um dia você completará o mesmo. A partir de hoje você desenvolverá seus estudos obedecendo esta simples regra; trabalhe em tema com quatro letras, depois que sentir que dominou os cálculos e que os resultados são a expressão concreta do tema, tente temas com cinco letras e assim sucessivamente. Quando você estiver prático desenvolverá os cálculos específicos e matemáticos assim como o esquema ou organograma de estudo e trabalho sem o nosso apoio. Boa Sorte.
Imediatamente a atmosfera do atelier voltou à normalidade e fiquei por muito tempo raciocinando no que poderia faltar para completar o texto. Como não consegui mais satisfeito com o ocorrido no atelier fui para casa do outro lado da rua. Chegando a casa a Mãe me recriminou, pois já passava das oito da noite e ela não costuma jantar sem eu estar presente.
Mesmo depois de confeccionar e resolver outros temas e organizar o Tecno Teste, a Ciência Oaieme em todas as variantes, nunca me esqueci da Primeira Lição. O fato é que nunca encontrei lugar no texto para a palavra EMA e a palavra EM. Só muitos e muitos anos depois, em Abril deste ano, 2010 é que matei a charada.
Revisando as páginas do site e ao me deparar com a análise do Tema A Mãe resolvi realizar uma nova pesquisa em um velho Aurélio que achei no lixo da rua e que para mim é uma relíquia sem preço a ajustar. Estava paginando o dicionário na letra A quando a televisão anunciou que ia apresentar um documentário sobre animais. Exatamente no momento em que achei uma palavra que cabia no texto e não conhecia o seu significado, o apresentador anunciou que a estrela do documentário era a ave Ema. Rápido fui assistir e qual não foi a minha surpresa em saber que esta ave é um dos mais singulares exemplos de exótico comportamento maternal, ela põe os ovos mais quem choca e cuida da prole é o macho. Satisfeito com a informação voltei para consultar o dicionário para ler o que a palavra encontrada significava. A palavra desconhecida era AMÃ e seu significado é este no Aurélio:
Amã – Perdão que os muçulmanos concedem a quem não pratica o islamismo.2. entre os árabes, mercê ou perdão outorgado a um inimigo ou insurreto vencido. 3 ablução entre os turcos.4.certo tecido de algodão levantino. Aurélio, pagina 97
OBS. Como o Aurélio é antigo e não tem capa não sei qual é a sua edição. Como o Dicionário Aurélio é uma das coisas sérias que se fez neste País e se a palavra está nele, não há o que se contestar.
O texto e resultado antigo era este:
A Mãe é ama e a Ama é Mãe
Ame a Mãe, ame a Ama e a Mãe Má me ame.
E o novo texto ficou assim:
A Mãe é Ama Meã, a Ama Meã é Mãe, a Ema é Mãe e a Mãe Má é Mãe.
Ame a Mãe, ame a Ama Meã, ame a Ema e a Mãe Má em Amã me ame.
Foram necessários 15 anos para que eu descobrisse o real teor e forma do resultado. No texto, o sentido figurado da Ave Ema faz sentido. A Mãe Ema nada mais é do que as mulheres irresponsáveis que abandonam o lar, marido e filhos. E o sentido figurado da Mãe Ema e Má em Amã nada mais é do que as que por um motivo ou outro se lembraram de sua prole ou de Deus e são passíveis de perdão ou estão na quarentena do mesmo.
Deixo para os eruditos o questionamento do tema e para você a análise de seu conteúdo.
**** O olho que dizem que tudo vê, olha o Mundo e não me enxerga pois no Ontem não era, no Hoje não é e no Amanhã nunca será. No entanto Eu olho o Mundo e o olho que dizem que tudo vê: Eu o vejo e o enxergo pois no Ontem Eu era, no Hoje Eu sou e no Amanhã sempre serei porquê na Eternidade das Eternidades, Sou Um de D*E*U*S*.

**** Eu vim, vi e venci e nem “eles” me viram nem tu me viste.
**** Um abraço a todos, até o próximo artigo e Inté.
**** Independência ou Sorte. O Aedo do Sertão

**** Fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente, critique ou dê sugestões